Na sequência da lei 56/2012 de 8 de Novembro, que veio redefinir a reorganização administrativa de Lisboa, constituiu-se uma nova freguesia - a Freguesia de Santa Maria Maior - e extinguiram-se as doze freguesias que a integraram. Os seus espólios arquivísticos ficaram à guarda desta nova Junta, adiante designada por JFSMM.

Após auditoria da DGLAB, em 2013, foi criado, em 2014, o serviço de arquivo, que deu início ao processo de recolha, seleção e tratamento, designadamente ao nível da higienização e da conservação preventiva, organização, descrição e difusão deste património documental.