FORGET ME NOT
Ricardo Passos

Exposição de pintura na galeria da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior

 

Sinopse:

FORGET ME NOT

São duas as minhas pernas, uma pode e a outra quer, e mantenho-me em equilíbrio, entre o que quero e o que posso, não sou assim tão diferente do Cais das Colunas, donde partiram todas as memórias para terras distantes, e voltaram em forma de sonhos, que sonho sem me pronunciar muito, como se sofresse duma sagrada ignorância, e toda a sabedoria fosse a minha Mãe, mãezinha! Mãezinha…, repito muitas vezes, e já não acredito que Ela também partiu há muito, sei que não estamos em 2020, e nunca admitiria já ter vivido 90 anos, rejeito memórias obscenas, e quero que me contem histórias, não reconheço ninguém a não ser aquele rapaz que gosta das coisas de antigamente, chama-se “doutor” é um nome curtinho, por quem pergunto sempre, então hoje veio o “doutor”? Gosto da companhia dele e fico a sorrir quando ele conta coisas doutros tempos, e me dá o braço para me levar a passear na varanda e no jardim, nesta casa grande, com muitos quartos, serão todos meus? Ainda tenho pernas para andar, e consigo dobrar-me para apanhar os óculos, para ver as pessoas, são tantas, que vão e vêm, lembro-me deles como das algas debaixo das águas do mar, quando mergulhava de olhos abertos, e elas dançavam à minha volta, como sereias cujos cabelos se enrolavam às minhas pernas, quando eu queria, e podia mergulhar e voltar à superfície com os olhos cheios de água, as coisas não mudaram muito afinal, continuo a nadar em sonhos à superfície do esquecimento, ao som da rebentação.

Gulob

 

Biografia:

De muitas fibras é construído o percurso que traz Ricardo Passos desde 1963. Lisboa, onde trabalha na área do design gráfico, é também cidade onde vive apaixonado pelas artes plásticas.
 
As noções de equilíbrio visual aliadas à sua expressividade e sensibilidade, resultam no recorrente afastamento da representação convencional. A busca de um universo utópico – e por vezes distópico – na sua singularidade, torna-se o grande motivo da sua criação. Assim, a exuberância, o romantismo, a crueldade ou o sonho, são as temáticas trabalhadas.

“Forget Me Not” naugura a 10 de setembro e está patente até 17 de outubro de 2020, de segunda a sábado, entre as 15h e as 20h, na Galeria Santa Maria Maior (Rua da Madalena, 147).

Entrada gratuita. Uso obrigatório de máscara. Lotação limitada.

 

Obras expostas da autoria de Ricardo Passos Art

 

Acompanhe o evento no Facebook.